sexta-feira, 20 de março de 2020

asas cortadas




Paco era um daqueles tios que só surgiam no Natal. Os demais velhos não gostavam dele, mas o suportavam, era tempo de paz, amor, reconciliação, aquela conversinha de sempre. Só a vó e nós, as crianças, gostávamos dele. Não só pelo seu jeito caloroso e engraçado, mas também pelas suas histórias de garimpo: como fez sua vida do nada, passando a perna nos outros, sendo enganado, como quase morreu, como quase matou (mas ficávamos na dúvida, será que não matou mesmo?). Ensinou como reconhecer prata pelo peso e ouro pela mordida. Tenho até hoje, guardado no alto de uma estante, uma flecha de índio que ele me deu. Foi muito rico, perdeu quase tudo, mas parecia não se importar, "Da vida, nada se leva". 

A última vez que o vi não era Natal. Reapareceu quando minha mãe teve câncer. Me entregou um maço de dinheiro em um envelope, "Seu pai jamais aceitaria". Tio Paco explicou que havia vendido seu último tesouro, um Alicanto. 

O Guará e o Flamingo adquirem sua cor graças à alimentação de camarões avermelhados. O Alicanto também. Possui um bico de ferro, com o qual raspa e fica dourado, prateado, roxo, dependendo do que come: ouro, prata, ametista. A ave até voa, desde que esteja com fome. O peso das pedras em digestão não permite. Por via das dúvidas, meu tio cortou suas asas.


Não muito depois do dia do envelope, encontraram Paco morto em sua casa à beira da Radial Leste. Um tiro na nuca e a sola dos pés cortada com navalha. A polícia disse que Paco abriu a porta para o homem, portanto meu tio conhecia o assassino. E, certamente, o assassino conhecia meu tio.













(O Alicanto, criatura folclórica chilena, foi sugerida na lista de desenhos #Creatuanary)

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

três fragmentos desconexos sobre nossa senhora dos robôs













21 —


Se você for à Capela de Nossa Senhora dos Robôs, terá problema para pousar. Não adianta ir durante a semana. O movimento de turistas e romeiros é contínuo e o comércio santo funciona de segunda a segunda, exceto nas festas de fim de ano. Será abordado por pedintes perfumados com perfumes de oxitocina indiana, o que o tornará mais cordial e mão aberta. Recomendamos o uso de filtros nasais ou máscaras antigripais, para contornar o desapego material. Dentro das lojas, climatizadas a uma temperatura agradável para confrontar o clima seco do deserto, você poderá remover estes aparatos. Os dutos são fiscalizados diariamente pela municipalidade, garantia de comércio limpo. Você compra e não se arrepende: os melhores preços e os melhores lugares para aquisição de lembranças para sua família. Tudo para o turista expressar sua fé.


Sugerimos a visita guiada. Nas salas de desinfecção, os terminais (reconhecíveis pelo painel com o crucifixo laranja) lhe permitirão o aluguel de um drone trilíngue (inglês, espanhol, chinês. Outros idiomas são possíveis, após o pagamento de uma taxa mínima), alimentado com os dados mais recentes e portador dos mais avançados sistema de interface guia-turista. Você conhecerá toda a história da Santa, desde a Capela, da Igreja Antiga até a nossa moderna Catedral. Ficará emocionado com a animação holográfica que revela o antigo lixão onde a imagem foi encontrada casualmente. Poderá ouvir sua benção, bastando apenas autorizar o débito pelo seu código de barras.

Pedimos um pouco de paciência, entretanto, com algum inconveniente. A Igreja Antiga ainda está em reforma depois dos últimos atentados.
Acompanhe o drone e suas explicações: por favor masquem suas gomas de serotonina para melhor recepção dos dados.






04 —



A segunda aparição de Nossa Senhora dos Robôs se deu para três irmãos do condomínio. Eles assistiam ao televisor, quando em meio às imagens de um anime pós-apocalíptico, surgiu a mulher. Ela se destacava de uma forma estranha do projetor 3D. A Santa fez uma súplica e as crianças não viram motivo para recusa. Havia pouco o que fazer, além de continuar a assistir televisão. E, além disso, construir um robô. Seria interessante. A mãe não tinha com quem deixá-las enquanto procurava um emprego. Nunca quis pedir a vizinho que tomasse conta dos filhos, ela acompanhava os Boletins, não era possível confiar em ninguém. Talvez nunca tenha sido.



Seja como for, usando talheres, brinquedos, eletrodomésticos montaram a boneca. Era bastante simples, mas suficiente. A partir desta imagem, um sinal foi transmitido. E começaram os primeiros milagres. Mensagens inundaram as caixas de e-mails. Celulares conversavam entre si. Os elevadores do bloco não funcionavam mais para humanos. Apenas os crentes conseguiam utilizá-los para chegar àquele apartamento. As crianças recebiam as oferendas e com elas acrescentavam conteúdo àquela imagem. Os vizinhos estranharam o movimento e as marcas de esteiras e rodinhas no piso do corredor, mas por medo de ser o tráfico, não chamaram as autoridades. As câmeras já não registravam o que acontecia. Alguns autômatos se ofereciam em sacrifício para serem incorporados à Santa. Como uma mãe que recebe os filhos de volta ao útero, ela jamais rejeitou nenhum, não importasse a simplicidade ou a ausência de intelecto. As crianças acrescentaram as partes necessárias, sem jamais reclamar.



A mãe retornou depois de algumas semanas. Ela acompanhava os filhos de longe, através de sistemas de monitoramento e ligações frequentes. Eles respondiam sempre e só suspeitou quando recebeu comunicado da escola alertando para as faltas. Espantou-se ao descobrir o apartamento desmobiliado e uma única máquina enorme a ocupar a sala. Antes que ela pudesse gritar por socorro, a Santa iluminou sua mente e a substituiu por uma nova, mais simples e homogênea. As crianças aprovaram. Agora só faltava o resto.





73 —


O camelo marchava em seu balanço mareado, enquanto Maria observava pela luneta, as carcaças dos veículos e naves, as paredes e painéis das ruínas das lojas de santinhos. Não faltava muito.


Ela não saberia dizer se uma relojoaria aparentaria ser um lugar cheio de vida, graças ao movimento de ponteiros, números e pêndulos. Provavelmente, não. Porém, ao se aproximar das ruínas dos templos, a planície do deserto foi se preenchendo com os bonecos, manequins, androides e ciborgues imobilizados, sua existência interrompida... A sensação não era a de estar em um jardim de estátuas, mas a de viajar em meio a um cemitério. Os peregrinos e romeiros mecânicos de movimentos congelados, os cérebros eletrônicos e sistemas de autorreparação destruídos pelo último dos pulsos eletromagnéticos. Os ventos e as tempestades derrubaram muitos dos bonecos. Mas era fácil distinguir estes dos ciborgues, pois tudo que era carne de seus corpos fora devorado por abutres e coiotes, intoxicando certamente estes necrófagos.


O horizonte plano pontilhado de inoperantes e outros cadáveres. Da Catedral, restara um único pilar, como uma estaca cravada na terra; da Igreja Antiga, partes do Mural, as pinturas ilegíveis pelo abrasar do sol moribundo; da Capela Antiga restaram algumas paredes, peneiradas por tiros e pinturas das tribos do deserto. E o Altar. A imagem fora perdida há muito tempo, destruída nos combates que se seguiram ou roubada por saqueadores. Maria fez o camelo baixar e soltou a sela, a rédea e os arreios. Caminhou respeitosamente, entre as centenas de bebês artificiais desligados e entregou o único filho possível neste planeta estéril àquele altar vazio. Orou por um milagre que não viria para ela, como não veio para as outras.


A Máquina estava morta. Em seguida, como as demais virgens, suicidou-se.










Publicado na Revista Gueto (2018)

Imagem daqui

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

jamais no natal




 







A neve no sertão é muito rara de se ver. Cai apenas nas madrugadas nos fins de dezembro (mas jamais na noite de Natal). Uns poucos flocos gigantes pairam do céu e se depositam no meio do capinzal. Fazem a alegria dos tamanduás que gostam de lambê-los com sua língua quilométrica. A ameaça do nascer do sol faz os flocos derreterem rapidamente. O sertanejo até tenta guardar partes do cristal, sua água é benta, mas ele evapora mesmo dentro do vidro fechado, sobrando só um sopro gelado que usam quando sentem falta do frio. 


 

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

rodolfina & asdrúbal da laurânia





Para salvar seu reino da invasão iminente do Império Sueco, o Principe Rodolfo da Laurânia amanheceu em uma manhã de primavera como Rainha Rodolfina; ela aceitou se casar com o Duque de Arendal e estabelecer uma aliança benéfica a ambos os estados. Teve três filhos, dos quais a caçula, Princesa Teresa Rodolfina de Arendal, converteu-se em Asdrúbal, libertador e mártir da independência da Laurância.






@brontopsbaruq

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Contos & Causos do Pinheirão

anjinhos do paraíso e da consolação






Bom dia. Peço dez centavos pra comprar feijão pros meus irmão. Deus lhe pague. Obrigado.

Gabriel rasgava o sulfite em quadradinhos, nas linhas das molduras impressas. Fazia vários maços pequenos com os papéis e se preparava para dividir com os menores. Explicava porque era melhor fazer à mão. O recorte não devia ficar exato.

− Quanto menos certinho, melhor. Eles têm que achar que a gente não sabe fazer as coisas direito. Eles têm que ter pena da gente.

Os demais irmãos pequenos, Uriel, Ezequiel, Sarapatel, Xanael, Alael, nenhum dos outros sabia ler. Ou lia daquele jeito robótico, palavra por palavra primeiro, tudo de uma vez depois, tentando acertar a entonação. Samuel, entretanto, sabia ler. Era um conhecimento secreto: Samuel sabia ler, mas não contava a ninguém.

(Naquela época era melhor ser igual aos demais. Quando a adolescência chegasse, afirmaria ter aprendido sozinho com livros jogados e perdidos pelo Pinheirão. Qualquer coisa escrita servia. Rabiscos pelas paredes, a Bíblia, gibis, playboy, relatórios financeiros e um manual de manutenção de empilhadeiras. Quando deixou de ser segredo, virou milagre.)

O caçula Zefiel estava inseguro, como todos os outros. Mas foi o único ingênuo o bastante para confessar seu medo:

− Eu nunca peguei metrô, e se me perder lá dentro?

Gabriel deu um tapa na orelha do pequeno (Larga mão de ser cuzão, moleque, é só olhar para cima e procurar o Pinheirão no horizonte; e era verdade, por toda a cidade se via a imensa silhueta da nova ruína). Ignorando o choro, continuou a distribuir os bilhetes para pedirem esmola dentre os passageiros do metrô. Enquanto fazia isso, relembrava os velhos tempos.

− A gente rabiscava histórias bem tristes, mãe com câncer, pai preso, eu tenho aids, eu vou morrer daqui a uma semana, daí xerocava, dava aos passageiros no vagão da Sé e recolhia antes de chegar na Luz. O povo se acostumara com os pedintes fazendo discurso, aquela cantilena triste não emocionava mais. Mas então eles viam o papelzinho amassado, a letra tudo errada, acho que pensavam nos filhos, eu lá magrelinho, sujo e de chinelo, daí se comoviam e davam dinheiro. Arrumei até uma foda naquele tempo. Depois ela me deu banho, pagou até pizza, eu devia levar para alimentar meus pais, hahahahahaha, comi tudo na calçada, dividi com o Miguel e o Serafim, hahahahahaha.

Os pequenos riram perante a palavra foda, até mesmo Samuel. Acompanhava aos demais, não queria ser diferente. Na época, até andava. Ele percebeu – de uma forma inconsciente, irrefletida - que o bilhete atual era bem mais objetivo, não contava história alguma. Talvez não fizesse mais diferença.

− E se os urubu tentarem te pegar, vocês corre, não deixa te pegar, senão vocês vão tudo pará na Fundação e os mais velho vão querer seu cu para comer se dó e vocês vão chupar pinto até a língua ficar lisa, então vocês correm o máximo que der, mas se mesmo assim pegarem, vocês tem que contar história triste, mente uma coisa qualquer, que o pai tá preso, que a mãe tá cega, quanto mais triste melhor, mais fácil deles crer, hahahahaha.

Gabriel prosseguiu com suas instruções e estratégias, não desejava o mal dos menores. Afinal, além de parentes, eram seu sustento. Gostava mesmo dos guris. Com exceção de Samuel. De todos, foi o que menos apanhou. Por mais que tentasse disfarçar, sempre ali, na escuta, ligeiro, pensando. Não foi ele que quis saber como eles poderiam ser irmãos, um ser preto café e outro preto chocolate e outro leite? Naquele dia, Samuel apanhou feio. Depois foram só umas leves.

Apesar das instruções de que deveriam ficar distantes uns dos outros, para dificultar o trabalho dos funcionários do metrô, Samuel não conseguiu largar o menor. Sabia do medo de Zefiel de lugares fechados. Uma vez ele quase morreu brincando de esconde-esconde e desde aquele dia se apavorava ao se ver preso. Daí os dois andavam sempre juntos, quase namorados, ele dando a mão para o menino.

Apesar disso, o garoto menor continuou muito inseguro. Samuel teve uma ideia:

− Vamos fazer o seguinte: a gente divide o chinelo. Eu fico com o direito e você com o esquerdo. Aí ninguém vai conseguir separar a gente.

Eles desapareciam em meio aos cardumes de engravatados e estudantes, evitando as câmeras de segurança. Os grandes nem os percebiam, concentrados em seu próprio mundo, ou até espiavam, meio distraídos, como quem acompanha mosca. Longe de Gabriel e dos outros irmãos, Samuel se tornara menos tímido e tomava a dianteira na distribuição dos bilhetes. Zefiel seguia de perto, mancando um pouco, devido à ausência de uma das sandálias. Evitava particularmente as janelas do vagão, com aquele troar monstruoso e as luzes velozes do túnel. Buscava se concentrar no piso ou nas costas do parceiro.

Depois de entregarem os papeizinhos, Samuel improvisava um breve discurso, uma peça viva e divertida, nada decorado. Alguns passageiros até riam da irreverência do pequeno. Samuel se esforçava para fazer o melhor, sabia que sua féria teria que ser o suficiente para os dois. Os meninos, entretanto, ignoravam a presença de um agente disfarçado do metrô dentro do vagão.

Quando a porta se abriu, vários seguranças entraram por um lado e Samuel, atento com o que ocorria do lado de fora, gritou sujou sujou. Os dois correram para a plataforma, largando os bilhetes que se espalharam alegres feito confete no carnaval. Samuel disparou para um lado, atravessou pernas, pastas e sacolas e vazou entre as catracas. Ofegante, olhou para trás, imaginando que o irmão estivesse logo atrás.

Ficou do lado de fora da Estação aguardando em meio aos curiosos que se ajuntavam ao redor das viaturas. De longe, reconheceu entre o horizonte de prédios, a sombra do Pinheirão. Cogitou em pedir ali, entre a aglomeração, garantir um pouco mais de dinheiro, porém teve medo de ser reconhecido.

Zefiel não conseguiu. Samuca imaginou que ele tivesse sido preso e que estivesse na Fundação Casa. Ninguém sabe bem o que aconteceu, talvez ele tenha se atrapalhado com o chinelo. Talvez tenha sido medo. Medo puro e simples. Na televisão deram a notícia de um menor sobre os trilhos, morto no subterrâneo.

Gabriel recebeu a notícia como um general sensível. Afinal, como já disse, gostava das crianças, como uma raposa gosta de galinhas. Não foi severo ou emotivo demais. Relembrou do destino dos irmãos maiores, Rafael executado pelos meganhas, Ariel caindo do telhado da fábrica. A vida louca das correrias não oferecia perdão nem justiça, ela era o que era.

Entretanto, em seguida, começou a fazer sua mochila. Com o noticiário da tv, a polícia ficaria doida ao redor deles. Era melhor ele sumir do Pinheirão por um tempo.

− E nós? − quiseram saber os menores.

− Vocês vão ter que se virar. Ensinei o que pude. Agora é com vocês. Talvez eu ligue.

E fechou a porta. Passos rápidos ecoaram pelo corredor.

As crianças ficaram em silêncio, muitos ainda choravam após a notícia da morte de Zefiel. Elas se aglomeraram ao redor da cama de Samuel. Desde que voltou ficou lá, deitado, abraçado àquele pé sujo de chinelo na mão, como quem se abraça a um santo. Estava calado, estático, olhar parado no teto. Uma mancha de urina demarcava território no lençol. O silêncio, a comoção, os gemidos… Parecia que ele, o mais esperto deles, também havia morrido: um velório de vivo. Até que um deles, não sei se o menor ou o maior, lhe implorou:

− Sai dessa cama, Samuca.

− Não posso… Não consigo… Não sei mais andar









sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Contos & Causos do Pinheirão


sete cegos nas estantes de ferro




1
Existe um momento no qual fica claro que podemos ter nossos segredos e não contar tudo a nossos pais. Para Luzia, foi naquela noite, quando terminou de escovar os dentes e pretendia passar na cozinha, desejar boa noite ao pai. Ao escutar o gemido engasgado, a menina reduziu o passo e se espreitou até a guarnição da porta. Dali, espiou o pai sentado, as contas para pagar sobre a mesa e ele no celular, dedos limpando lágrimas e ele no celular, sussurrando com alguém.

A menina deu meia-volta e foi para a sua cama. Bichos de Pelúcia da Vinte e Cinco de Março e uma Bíblia aberta no criado mudo pintado de rosa. Deitou-se, abajur ligado. Sentia-se entre curiosa e culpada por ir sem se despedir, sem saber o motivo, ou com quem era a discussão. Ficou contemplando o teto, as sombras invertidas, a mente absorta, relembrando o dia na escola e à tarde que passou com aqueles guris pichadores. Talvez ela devesse ter contado ao pai. Talvez. Estava com a perna doendo de tanto subir escada.

…ouviu um barulho que a fez se levantar. Cunha, seu pai não estava mais no apartamento, as contas não estavam mais sobre a mesa da cozinha. Testou a porta, estava aberta. Saiu e decidiu seguir o pai.
Quando saiu à rua, já era dia. Apesar disso, podia caminhar tranquilamente, tanto as pessoas quanto seu pai ignoravam sua presença ali no meio da cidade. Aliás, a cidade mesmo estava estranha, lógico que só poderia ser São Paulo, mas algo também sugeria que não. Por exemplo: no lugar da entrada do metrô havia uma esfinge; minaretes e cúpulas no lugar de antenas e prédios.

Por um instante, Luzia perdeu seu pai de vista, em meio à multidão. Quando o reencontrou, Cunha estava vestido de uma forma muito estranha, ela precisou segurar o riso para não chamar sua atenção. Devia ser uma túnica, feito uma daquelas novelas bíblicas da Record. Mas a menina achou que parecia mais um camisolão.

Sentiu pena do pai por um momento. Parecia perdido, talvez bêbado. Perguntava em todos os bares no caminho se ali era a Biblioteca. Luzia estranhou essa estupidez: era óbvio que aqueles botequins, cheios de homens e mulheres seminuas, não poderiam ser Bibliotecas. Bibliotecas têm estantes de ferro e livros fininhos para crianças. Ainda assim, ele insistia, suplicava que lhe dessem atenção até que uma delas- particularmente horrível, uma velha desdentada com coroa de rainha e maquiagem de palhaço – lhe esclareceu:

-Você não soube? A Biblioteca de Alexandria foi destruída quando inventaram a Internet.

Construíram o Templo de Salomão no lugar.

2

Existe um momento em que acreditamos que a vida é um trem no qual basta embarcar. A conversa entre as meninas no recreio era sobre quem beijava mais e melhor. Luzia ficou calada, só ouvindo, indecisa se deveria mentir, na dúvida se as outras estariam mentindo. Iara parecia ser a mais franca.

Durante muito tempo, treinou com toalhas, na fronha, na dobra entre braço e antebraço, até que convenceu seu irmão caçula a emprestar a boca. As outras fizeram cara de nojo, credo, beijar o irmão. Luzia não sabia o que pensar, não tinha irmão, mas franziu o rosto também para acompanhar a maioria. Iara era o oposto de uma sereia, cara de peixe acima da cintura e curvilínea abaixo, respondeu com um muxoxo, “Eu não tinha opção. Ou será que alguém aqui vai me explicar como se faz?” Janaína topou e depois Edileusa, Rosamaria e Claudete. Luzia também, para não ficar por fora.

Combinaram de se encontrar no banheiro no horário da saída. Apenas Luzia, responsável e obediente, apareceu para Iara. Beijaram-se, ela se atrapalhou com os óculos e ainda levou um apertão desajeitado em um dos pequenos seios. Ficou só nisso. Iara disse que era melhor saírem separadas, para não dar na cara com as tiazinhas do corredor.

Luzia obedeceu. Porém, quando abriu a porta do reservado, não era mais no interior da escola, mas sim o Templo de Salomão. Como todos sabem, o Templo de Salomão era dourado e brilhante por fora, com um formato cúbico que lembrava muito a Caixa-Forte do Tio Patinhas. O interior, entretanto, parecia tanto uma ruína quanto uma obra em construção, cheia de andaimes, escadas, estátuas quebradas, gambiarras, cheiro de cimento e penumbra de lugar sem energia elétrica.

Lembrava ao Pinheirão.

No interior daquelas paredes havia um ossuário imenso, repleto de esqueletos de todas as raças, cores, credos. Sem os párias e os pecadores, São Paulo havia se tornado uma cidade pura, santa e guerreira, como sugere seu nome. Aproximou-se das paredes e reconheceu dentre aqueles crânios negros, brancos, vermelhos e amarelos, Pai Dedé, Bebel, Janaína, Uriel, Pilha, Renê e outros do edifício invadido. Do meio dos fêmures, retirou um único chinelo. Havia algo de muito triste naquele pé: começou a chorar, mas dona Judite bateu na porta, dizendo que precisava fazer a limpeza do banheiro. Já havia passado da hora de ir embora.

3

Existe um momento em sua vida, na qual deve se decidir entre o ninho e o céu. Depois de tomar o esporro do pai por causa de uma tatuagem, trancou-se no quarto e enfiou os fones de ouvido para abafar os berros.

Mas Luzia estava nervosa demais para continuar no quarto. Quis fugir. Abriu a janela do apartamento e pulou para o lado de fora. Quando caiu, reconheceu as colunas e pilastras e o cheiro de cimento. Era a área interna do Templo de Salomão, conforme se lembrava de anos atrás.

No meio da nave central, o sol iluminava um círculo de homens sentados no chão. Eram os patriarcas. De longe, pareciam ser a mesma pessoa, o mesmo traje. Contudo, discutiam raivosamente uns com os outros. Difícil entender o que diziam, não só pelos ecos. Agiam como homens das tavernas, porém – supostamente – eram homens de Deus. Usavam o mesmo livro para justificar atitudes contrárias e excludentes.

Quanto mais debatiam, mais a barba e o cabelo deles cresciam e avolumavam sobre suas cabeças.
Dentre esses Bin Ladens, estava o pai de Luzia. Ela se aproximou para tentar distingui-lo dos demais, quando um deles reparou nela e a acusou, dedo apontado.

-Ela é a responsável por nossos problemas, ela é uma pecadora.

Foi quase bonito ver como aqueles selvagens se uniram imediatamente contra o inimigo comum. Luzia passou a fugir sob os pilares e arcos daquela catedral. Os homens gritavam-lhe impropérios e lhe jogavam pedras e merda que eles mesmo cagavam.

Por mais que corresse, Luzia não encontrava escapatória, por todos os lados havia portas trancadas. Uma Kombi abandonada obstruía a última saída. Sem escolha, a garota se enfiou no carro. Dali, Luzia pôde observar que aquela turba havia se convertido em lobisomens, palhaços e serpentes e eles sacudiam violentamente o automóvel. Os para-brisas eram um aquário monstruoso. Luzia começou a gritar e a orar por ajuda.

Ela não havia percebido que Samuel estava dentro do carro, bem ali, ao seu lado. “O que você está fazendo aqui?”, quis saber. “Venho aqui para esticar as pernas e desenhar nas paredes.” Os monstros continuaram batendo e o vidro trincou com um golpe. Luz gritou. Samuel abraçou-a e tentou acalmá-la, contando a história de sete cegos que tentavam descrever um animal apenas pelo tato.

Como a historinha não a acalmou, sugeriu que deveria enfrentá-los e não fugir, caso contrário ela nunca seria capaz. A menina respondeu que era impossível, ela jamais conseguiria. Mas o menino insistiu, com uma voz que não era a de um adolescente, mas a de um homem muito velho:

– Você é muito leve, menina, precisa crescer, crescer, só quem cresce pode ter inimigos. Devore-me, coma-me, só assim poderei ajudar.

Indecisa, sem saber por onde começar, Luzia começou pela boca, e de dentro para fora, puxou a língua e depois cuspiu os dentes como se fossem caroços de romã, os lábios arrebentaram e deixaram correr um sumo fresco de uva, e ela continuou puxando pedaço por pedaço do menino. Às vezes sentindo a textura e o sabor de uma fronha, às vezes miolo de pão. Enquanto fazia isso, ficou indecisa, minha mão está entrando nele ou em mim?

Sua barriga e seu corpo incharam rapidamente, um balão inflando, como daquela vez que soltaram um sobre o teto do Pinheirão. Transformou-se em uma fera, um paquiderme, um mastodonte, um mamute. A criatura rompeu a Kombi: o veículo branco quebrou como se fosse um ovo e ela, um pinto. Luzia estava livre. Suas orelhas abriram feito asas e ela girou sobre seus perseguidores em uma dança para pisotear baratas. Esmagou a todos que queriam apedrejá-la, inclusive o próprio pai, reconhecível apenas pelo choro, um gemido engasgado, e por umas contas vencidas que saíam de sua boca.

Samuel comentou que aquela massa de corpos lembrava um desenho do Recruta Zero esmigalhado pelo Sargento Tainha. Luzia não respondeu, nunca lera Recruta Zero. De uma coisa ela tinha certeza, entretanto: naquele cemitério nasceria em breve um campo de trevos irlandeses e ela gostaria de colher alguns.






(Luzia era a filha do Pastor Cunha. Imagem: Omaya, de Dragan Bibin)